Armazenamento de dados: servidores, storage e cloud computing, qual o ideal?

02/07/2018

Escolher qual é a melhor solução para o armazenamento de dados da empresa é o dilema de muitos gestores de Tecnologia da Informação (TI). No entanto, essa decisão precisa ser feita a partir de um planejamento prévio.

Para alcançar esse objetivo, é necessário conhecer bem os sistemas disponíveis no mercado. Entre eles estão o armazenamento em storage, nuvem e servidor — e todos eles serão tratados neste post.

Aqui, mostraremos as principais informações para você decidir qual é o equipamento de armazenamento de dados mais adequado ao seu negócio e quais possibilidades o mercado de TI oferece. Continue a leitura e descubra!

A importância do armazenamento de dados para a empresa

Definir o equipamento que vai guardar os dados de uma companhia é algo que afeta todos os departamentos da empresa. Essa questão é ainda mais importante na atualidade, porque as informações devem estar disponíveis para acesso em qualquer momento e lugar e, ao mesmo tempo, precisam estar seguras, hospedadas em um sistema escalável, virtuoso e de processamento impecável.

Além de fatores internos, alocar os dados em máquinas adequadas ajuda a empresa a enfrentar os aspectos externos, como a concorrência. No mundo empresarial, as companhias que investem em soluções eficientes de armazenamento se destacam por oferecerem serviços de qualidade para seus clientes e ofuscam as que não conseguem implantar um sistema adequado.

De olho nesse negócio em expansão, grandes empresas no mundo têm desenvolvido produtos de software que facilitam o armazenamento de dados para atender companhias que precisam investir nessa solução. E quais são as opções desse tipo de serviço disponíveis no mercado? Vamos conhecê-las a seguir.

Armazenamento em storage

Os dispositivos de storage são uma solução confiável e mais simples do que outras opções disponíveis no mercado, como os servidores em nuvem. Porém, cumprem bem seu papel quando utilizados por companhias que precisam apenas guardar arquivos e têm baixo tráfego de dados, apenas com uma constante de transferência de informações entre os equipamentos usados pelos colaboradores da empresa.

Visto que o storage não tem um sistema operacional que ofereça a opção de transferência de dados e conexão com vários computadores da rede, ele pode ser comparado a um HD externo. Dessa forma, organizações que precisam apenas de um local para armazenar suas informações escolhem esse sistema.

Conectá-lo em um servidor é outra opção. Essa escolha geralmente é feita por instituições que têm um tráfego de dados contínuo entre os equipamentos de TI. Dessa forma, conseguem unir duas vantagens: a capacidade de acúmulo de informações com a rapidez na disponibilidade do outro.

Essa prática de unir os sistemas reduz o custo com a necessidade de expandir a capacidade do servidor do negócio. Aliás, a atenuação de gastos do storage é uma vantagem, pois o consumo de energia da máquina é menor em relação a outros equipamentos.

Se houver a necessidade de fazer melhorias no sistema, a despesa também será menor que a exigida com um servidor básico. Por fim, o sistema é seguro e, com a configuração correta, é capaz de atender às necessidades de uma empresa.

Armazenamento em nuvem

Os benefícios do armazenamento em nuvem vêm sendo muito discutidos no mundo empresarial. A KPMG International divulgou o relatório Elevation business in the cloud, que trouxe dados sobre esse assunto, e apontou o crescimento desse sistema entre as empresas.

Nesse artigo, o CIO do Cancer Treatment Centers of America, Kristin Darby, resumiu o que a computação em nuvem significa para uma organização. Segundo ele, o sistema oferece todas as ferramentas necessárias para atender às demandas da instituição em que trabalha.

De fato, a nuvem possibilita uma infinidade de soluções para as empresas, uma vez que permite que todo tipo de dado seja alocado em máquinas de alta performance de corporações que hospedam servidores. Desse modo, basta uma conexão com a internet para acessar as informações em um data center externo.

Esse tipo de armazenamento reduz o tempo gasto com o planejamento a respeito do servidor privado que a companhia implantará, diminui o valor investido na instalação da máquina, bem como elimina a etapa de preparação do ambiente para hospedar o servidor, que requer uma excelente refrigeração.

A vantagem sobre outros sistemas, como o storage, é a alta disponibilidade de dados. Para uma empresa com vários equipamentos conectados entre si, que compartilham e acessam informações a todo instante, o cloud computing é a escolha ideal.

Outro fator a ser levado em consideração é a projeção de crescimento da instituição, porque para atender uma demanda maior de serviços, a infraestrutura de TI terá de expandir — e o serviço em nuvem tem a escalabilidade necessária para esse fim.

Armazenamento em servidor

Para empresas que isentam a necessidade de um sistema de alta performance — como o cloud computing —, mas necessitam de uma máquina mais robusta que um storage, então a opção a considerar é o servidor. Essa categoria de equipamento possibilita o armazenamento dos dados, que também podem ser acessados, adicionados e alterados por computadores da rede.

Os servidores variam de acordo com o sistema operacional, a capacidade de acúmulo de dados e a velocidade de transmissão das informações. Caso a empresa precise de uma máquina com melhor desempenho, novas configurações podem ser adicionadas.

Geralmente, empresas que não carecem de um sistema de grande performance escolhem um servidor modelo torre, que é mais simples. Já as instituições que precisam de um equipamento com capacidade de armazenamento maior e rapidez no tráfego de informações optam pelo modelo rack.

7 dicas para um armazenamento de dados seguro

A escolha pela melhor opção de hospedagem de informações depende das características da sua empresa. Porém, em qualquer um dos casos é preciso tomar alguns cuidados, além de adotar boas práticas para fazer um armazenamento de dados seguro.

Veja, a seguir, 7 dicas que separamos:

1. Realize backups programados

As cópias de segurança devem ser realizadas constantemente a fim de evitar a perda de dados. Se a sua escolha for pelo cloud computing, essa preocupação é desnecessária, porque a tecnologia usa sistemas de última geração para realizar backups automaticamente e de modo bastante rápido. O resultado, nesse caso, é uma camada de segurança extra, que ainda gera economia de tempo e custos.

Nas outras duas opções, storage e servidor, é importante adotar o backup programado. A frequência de execução dependerá do volume de informações trocado pelos usuários da rede. Se forem poucos dados, pode-se realizar a cópia de segurança até semanalmente. Caso contrário, é possível pensar em fazer o processo diariamente.

Tenha em mente que, nesse quesito, a computação em nuvem é o modelo mais seguro, porque as cópias são feitas automaticamente pelo sistema e os arquivos são mantidos preservados do acesso por terceiros devido à criptografia. Nos outros dois casos pode haver perdas, mas o backup programado reduz significativamente essa possibilidade.

2. Elabore um planejamento de segurança

As empresas precisam evitar quaisquer interrupções em seus sistemas, sob pena de terem grandes prejuízos financeiros. Por isso, é essencial criar um planejamento de segurança que indicará as ações a serem tomadas em caso de necessidade.

Primeiramente, a direção deve ter comprometimento e aderir à ideia. Em seguida, é preciso formar um comitê que considere as características de cada profissional. As pessoas-chave nesse cenário são os gerentes de processamento de dados e operacional.

As outras etapas são as seguintes:

2.1. Analise os riscos existentes

Esse grupo de especialistas deve desenvolver uma análise de risco na empresa, considerando o impacto que ela sofrerá em caso de desastres técnicos, naturais e humanos. Também é necessário analisar a segurança dos registros vitais e dos documentos críticos a fim de evitar danos maiores em caso de imprevistos.

2.2. Defina as prioridades

Os arquivos críticos de cada setor devem ser categorizados em: essencial, importante e não essencial. Estão incluídos aqui: operacional, sistemas de informação, recursos humanos, documentos gerais, políticas internas, procedimentos e registros vitais.

2.3. Crie estratégias de recuperação

O plano de contingência deve contar com ações fáceis de serem implementadas em relação a: hardwares, softwares, serviços — inclusive on demand —, pastas/dados, comunicação, operações diversas e sistemas. Para isso, é preciso avaliar criticamente as funções da máquina, como:

  • hotsite;
  • site;
  • data centers;
  • centro de serviços;
  • parque tecnológico;
  • ferramenta de vendas;
  • arranjo de consórcio.

O acordo deve contemplar diferentes variáveis, como testes, procedimentos especiais de segurança, custos, duração, equipamentos necessários, requisitos profissionais, garantia de compatibilidade etc.

2.4. Analise o desempenho da coleta de dados

O ideal é atualizar contatos telefônicos de pessoas-chave, lista de backup, inventário de computação, documentações e outros materiais importantes para o processo de recuperação e plano de contingência. Lembre-se de anotar todos os registros e fazer uma descrição das atitudes que devem ser tomadas.

2.5. Desenvolva procedimentos-padrão para testes

O plano deve ser colocado à prova pelo menos uma vez por ano a fim de verificar se é realmente seguro ou se existem itens que precisam ser aprimorados para atender às demandas da companhia.

3. Forneça acesso restrito às informações

Sua empresa deve contar com uma política de segurança rígida, que contemple as regras de acesso aos arquivos. O objetivo é evitar impactos significativos, como o vazamento de informações, caso uma conta seja comprometida.

O recomendado é que cada usuário manipule somente os documentos necessários ao seu trabalho. Desse modo, os usuários básicos devem mexer apenas nos arquivos simples, que não influenciam os sistemas e as ferramentas utilizados pela companhia.

4. Configure o Active Directory

Esse serviço está disponível somente no Windows Server. Por isso, é pouco usado no ambiente corporativo. No entanto, se houver essa opção, considere-a, porque ela permite concentrar toda a gestão de senhas dos colaboradores. Assim, você poderá monitorar a autenticação e o acesso dos usuários à rede.

5. Implemente o Big Data

O grande volume de informações gerado pelas empresas exige uma gestão adequada, que pode ser feita pelo Big Data. Além de possibilitar a administração das informações, ele ainda produz backups e impede a alteração de dados sem autorização prévia. Por isso, essa tecnologia também atua em caso de ataque hacker, já que a ação é bloqueada automaticamente.

6. Treine os profissionais para adotarem boas práticas de armazenamento de dados

A equipe de TI deve estar capacitada para atuar diante de ambientes e comportamentos de nível baixo de segurança. O indicado é que a atuação seja estratégica a fim de impedir atitudes que colaborem para a diminuição da integridade da infraestrutura de TI. Alguns exemplos de problemas são:

  • acesso a redes sem segurança;
  • configuração errada do spam do e-mail corporativo;
  • uso de senhas fáceis de serem descobertas.

7. Conte com o apoio de uma empresa especializada

As boas práticas citadas anteriormente podem ser aprimoradas ainda mais com o outsourcing dos serviços de armazenamento. Uma empresa especializada em segurança e hospedagem de dados permite à companhia focar no que é efetivamente importante para a equipe de TI, que são as atividades estratégicas. Dessa maneira, a infraestrutura é mantida em segurança e funciona de modo mais adequado para atender às necessidades do seu negócio.

Em vista de todas essas informações, especialmente sobre os equipamentos usados para hospedagem, a que conclusão é possível chegar? Tudo depende das características do seu negócio. Se a sua empresa precisa apenas de uma máquina que sirva para essa finalidade, como faz um HD externo, a escolha ideal é o storage.

Caso sua companhia precise da alta disponibilidade e escalabilidade de dados, o sistema perfeito é o cloud computing (nuvem). Se o objetivo é ter um equipamento com um desempenho menor, mas que permita um tráfego constante de informações, opte pelo servidor.

A partir desse conhecimento, fica muito mais fácil definir sobre o armazenamento de dados, não é mesmo? De toda forma, lembre-se das dicas de segurança que repassamos. Essas melhores práticas ajudarão o seu negócio a ser mais eficiente em suas ações.

 

Quer saber mais sobre as soluções da Cluster2GO? Acesse nosso site!

em: Tecnologia

Deixe seu comentário